, , , ,

ABDI premiou startups que se conectaram a indústrias.

Programa da Agência, que promoveu um encontro entre grandes empresas e novos empreendedores do Brasil e de Portugal, previu R$ 4,8 milhões em incentivos. A Prova de Conceito aconteceu no ultimo dia 26 de novembro, na cidade de São Paulo. 

As 30 indústrias selecionadas no Programa Nacional Conexão Startup Indústria 4.0 fizeram seus matches com startups que desenvolveram soluções inovadoras para elas. Essa é a segunda edição da iniciativa da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) que também conta com a participação de Portugal. Uma indústria e três startups do país europeu seguem no programa, que derá um total de R$ 4,8 milhões em premiações para os novos empreendedores.

“O objetivo do programa é apoiar a inovação e as tecnologias 4.0 para o setor produtivo e, ao mesmo tempo, fortalecer o ambiente de negócios. A ABDI teve excelentes resultados com a primeira edição do Conexão Startup Indústria, o que pode ser verificado pelo aumento das inscrições no segundo edital”, destacou Igor Calvet, presidente da ABDI. O crescimento citado foi de 77% entre as indústrias e 53% entre as startups.

A segunda etapa do programa foi o Workshop Startup Indústria, onde aconteceu a Prova de Conceito (POC), na terça-feira (26), em São Paulo. “Os dois lados da relação conversaram à distância, depois se conheceram pessoalmente, compartilharam afinidades, se aproximaram e, então, começaram a trabalhar em conjunto durante a POC. Esse foi o segundo encontro presencial entre os empresários”, detalha Lanna Dioum, coordenadora do Conexão Startup Indústria 4.0.

O estado com o maior número de indústrias é São Paulo, com 11, seguido por Rio Grande do Sul e Santa Catarina (6 cada), Paraná (4), Minas Gerais e Rio de Janeiro, com uma cada, além da portuguesa Myshirt, do setor têxtil. A empresa europeia se conectou a duas startups brasileiras: Fastdezine e Eco Têxtil.

As indústrias nacionais são: Docol Metais Sanitários, Procosa, Renault, Natura, Bosch, Embraco, Marcopolo, Votorantim Cimentos, Libbs, Botica, Malwee, Arcelormittal, Cartepillar, 3M, Fras-LE, Oxiteno, Mondelez, Tigre, Confab, Nestlé, Vale, Cobra Correntes, Wirklich, International Indústria Automotiva, Schneider, Electrolux, BRF, Usaflex e Springer.

Do total, 20% são indústrias de produtos químicos, farmoquímicos e farmacêuticos; 17% são de fabricação de máquinas e equipamentos, mesmo percentual das indústrias de veículos automotores, reboques e carrocerias; 10% são de produtos alimentícios, 7% de metalurgia e outros 7% de produtos de borracha e de material plástico.